SPVS na Mídia

6 de abril de 2018

Começam as negociações pelo Governo do Paraná para desapropriação de terrenos que darão lugar a uma nova Faixa de Infraestrutura

Por Comunicação

Em entrevista concedida a CBN, diretor executivo da SPVS comenta sobre as irregularidades e prejuízos da liberação da obra.

[confira o conteúdo na íntegra, divulgado pela CBN em 4 de abril de 2018]

 O Governo do Paraná vem tomando uma série de medidas para viabilização da construção de uma nova Faixa de Infraestrutura no litoral do estado [conheça mais sobre este projeto]. Para o início das obras seria necessário desapropriar 70 propriedades e suprimir uma área de 500 hectares de Mata Atlântica (o equivalente a cinco milhões de metros quadrados). Se levado a diante, apenas com desapropriações se estima um investimento de R$20 milhões, prejuízo este que se soma a diversos danos sociais, ambientais e ao gasto de outros milhões de reais dos cofres públicos para construção de um complexo industrial que atenderia a interesses privados.

Em entrevista concedida a CBN, Clóvis Borges, diretor executivo da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental – SPVS, defende que “é fundamental que haja um aprofundamento de discussão”. Para Borges, “ou vamos ter atividades de turismo e desenvolvimento sócio econômico compatível com indústria limpa e com negócios limpos, ou nós vamos ter um segundo Porto de Paranaguá cobrindo de piche e de poluição o litoral do Paraná”. [confira a entrevista na íntegra]

Outras instituições do terceiro setor e da academia, unidas a mais de 114 mil pessoas [conheça a iniciativa #ilhadomel] questionam a licitude dos processos que liberam a construção da Faixa de Infraestrutura e de um porto privado em Pontal do Paraná, em frente à Ilha do Mel – segunda maior atração turística do estado. [conheça mais sobre estas mobilizações]