Opinião

15 de setembro de 2017

Em defesa da APA da Escarpa Devoniana

Por SPVS Comunicação

061A1402- Rio Iapó - Cânion do Guartelá - Campos Gerais - PR_Zig - galeriaÁrea de Proteção Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana (Créditos: Zig Koch)

A qualidade da água, a conservação das florestas, a vida dos animais e saúde humana estão em risco no segundo planalto paranaense. Com eles, também correm perigo o patrimônio cultural e as belezas naturais dos Campos Gerais, como riachos, furnas, cachoeiras, uma história centenária e formações rochosas milenares. A ameaça vem do Projeto de Lei 527/2016, em trâmite na Assembleia Legislativa do Paraná que, se aprovado, vai reduzir em 70%, ou dois terços, a Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana.

Área de Proteção Ambiental (APA) é uma área em geral extensa, com ocupação humana, dotada de formações vegetais, fauna e flora específicas e características estéticas ou culturais únicas. A existência desses locais para a manutenção da qualidade de vida e bem estar da sociedade é fundamental. Uma APA busca garantir a sustentabilidade no uso dos recursos naturais e a realização de atividades socioeconômicas sustentáveis em sinergia com a conservação da biodiversidade. No caso da APA da Escarpa Devoniana, ela foi criada em 1992, mas, desde então, vem sofrendo com a pressão além dos limites de atividades produtivas que predominam na região.

O Projeto de Lei apresentado na Assembleia Legislativa do Paraná pode ser votado ainda em 2017 e pretende reduzir arbitrariamente a APA da Escarpa Devoniana de forma drástica, reduzindo o perímetro atura, que é de 392 mil hectares, para 126 mil hectares. Isso corresponde à exclusão de 70% da área protegida.

Para garantir a conservação desta área, o Comitê da APA da Escarpa Devoniana produziu um folder informativo para distribuição à população. É possível acessar este material no link

Texto: Comitê da APA da Escarpa Devoniana. Folder em Defesa da APA da Escarpa Deniana. Set/2017