Reservas Naturais

A SPVS mantém, desde 1999, no litoral norte do Paraná, três Reservas Naturais: das Águas, Guaricica e Papagaio-de-cara-roxa, que estão inseridas no maior remanescente contínuo da Floresta Atlântica do sul do Brasil e foram viabilizadas a partir dos projetos de ação contra o aquecimento global.

Com uma extensão de 18,7 mil hectares, as Reservas – que têm a sua maior parte transformada em RPPN – Reserva Particular do Patrimônio Natural – são mantidas a partir do suporte de diferentes fontes, que são continuamente identificadas pela SPVS para a constituição de parcerias específicas.

O trabalho de conservação destas áreas naturais ocorre por meio de planos de manejo que visam a fiscalização e a restauração de áreas já degradadas. Esta ação está atrelada a uma estratégia maior, referente à consolidação do mosaico de Unidades de Conservação LAGAMAR, do litoral do estado do Paraná e sul de São Paulo. Em paralelo a isso, também foi desenvolvido um programa para a criação de novas RPPNs, financiado pela Aliança, para a Conservação da Mata Atlântica.

A manutenção das reservas é feita a partir do processo de treinamento de colaboradores locais, com o auxílio de técnicos da SPVS, facilitado pela implantação de um sistema de trilhas que servem de sustentação para todas as ações de manejo, auxiliadas pelo desenvolvimento de metodologias de monitoramento atreladas a um banco de dados e Sistema de Informações Geográficas.

Estão em processo de restauração florestal 1,5 mil hectares de áreas degradadas, sendo que já foram plantadas cerca 650.000 mudas de espécies nativas. As ações realizadas dentro das reservas estão sendo sistematizadas em seis programas de manejo: Programa de pesquisa e monitoramento; Programa de visitação; Programa de comunicação e interação com o entorno; Programa de administração e manutenção; e Programa vigilância.

A experiência adquirida no manejo destas áreas, através de implantação desses planos, implica em uma série de lições aprendidas e que servem de referência para o manejo não só de RPPNs, mas também, para Unidades de Conservação públicas.

Faça aqui o download do Plano de Manejo das Reservas Naturais da SPVS

Projetos de combate ao Aquecimento Global

Em 1999, a SPVS iniciou três projetos inovadores nas Reservas Naturais das Águas, Guaricica e Papagaio-de-cara-roxa, com duração de 40 anos. O projeto foi viabilizado a partir do envolvimento da TNC e as empresas American Electric Power, General Motors e Chevron. Representando uma das iniciativas pioneiras no mundo, o projeto alia duas opções fundamentais: a conservação de um dos mais importantes biomas do planeta – a Floresta Atlântica – e a implementação de projetos de captura de carbono, a fim de combater os efeitos do aquecimento global.

A iniciativa consiste no manejo e proteção de 18,6 mil hectares de Mata Atlântica que possibilita a diminuição de pressões como desmatamentos e queimadas, e a captura de carbono da atmosfera, por meio de atividades de restauração e do crescimento de florestas secundárias.

O projeto também atua com as comunidades locais, com trabalhos voltados para busca de alternativa de renda, capacitação e associativismo. Essa relação com as comunidades locais permitiu a SPVS apoiar outras iniciativas desenvolvidas na região, destacando-se principalmente a Associação de Criadores de Abelhas Nativas de APA de Guaraqueçaba – Acriapa, em 2007 e a formação da Cooperativa de Ecoturismo de Guaraqueçaba, em 2008.

A importância das áreas protegidas está na conservação dos vários mananciais que abastecem de água a cidade de Antonina (16.000 habitantes), Ilha Rasa (600 habitantes), comunidade do Quara-quara (25 habitantes), gerando um importante serviço ambiental para a população destas localidades, além dos benefícios de carbono gerados, que são mensurados com a utilização de metodologias internacionalmente reconhecidas, através definição de linha de base e o monitoramento.